Outra vez eu venho aqui discorrer sobre aborto.

Mas hoje é diferente. Não estou afim de ficar aqui listando razões contra ou a favor. Estou, na verdade, é fascinada com a repercussão desse tema por aí, por causa das eleições. É como se o presidente da república fosse autorizado a decidir sobre a descriminalização do aborto. Gente, ACORDEM. Essa questão vai para votação. Alguém lembra do plebiscito sobre o porte de armas? Que ano foi aquilo? Eu não lembro bem, mas estava no colégio na época, então deve ter sido antes de 2006. Enfim,  a questão do aborto provavelmente vai ser decidida mais ou menos assim, com votação, da população ou do congresso. Daí vem  neguinho me lembrar que Brasília vai estar cheio de aliados do presidente eleito e que com certeza terão tendência a apoiar suas idéias e votar nelas – nesse caso, votar contra ou a favor do aborto. Concordo, mas não totalmente.

Hoje em dia, legal ou ilegal, o aborto acontece. E vai continuar acontecendo, não importa o que as pessoas digam na rua. O Estado brasileiro, se declarando laico tal qual como é, está contra sua própria declaração sobre ser laico quando criminaliza a prática do aborto justificando-se por princípios religiosos. Se vocês não sabem o que siginifica a palavra “laico”, eu explico. Isso siginfica que o Estado separa o governo da religião. Um Estado laico promove um distanciamento entre a base de suas leis e qualquer religião conhecida – diferente dos países islãs, por exemplo, cujas leis são todas baseadas no Corão, e etc.

Os homens dificilmente entenderiam a questão do aborto. Como disse a Lola, “eu devo andar com as companhias erradas, porque, em toda minha vida, nunca conheci uma mulher hétero que não se perguntou algum dia, no desespero: ‘Será que estou grávida?! Pô, e essa menstruação que não vem?’. Por incrível que pareça, a maior parte das mulheres que conheço é responsável (coisa que seus parceiros não são), e usam métodos anticoncepcionais. Preocupar-se com a menstruação atrasada faz parte da vida de toda mulher em idade reprodutiva. Homem não consegue entender isso.”

O maior cinismo nesse lance todo do aborto, e principalmente da galera que fica brigando pela continuidade da sua criminalização, é o fato de que todo mundo está pouco se importando para as pessoas depois que elas nascem. As religiões querem se meter na vida de mulheres que nem pertencem às suas igrejas. Ninguém invade a casa de uma evangélica com uma gilete na mão para raspar suas axilas e pernas – a maioria das igrejas evangélicas é contra depilação, e jamais condenaria ninguém por optar não se depilar, afinal o corpo dos outros diz repeito aos outros -. Ninguém faz transfusão de sangue em um Testemunha de Jeová à força – essa religião de estudiosos da biblia afirma que o sangue é sagrado e carregam consigo um cartão que avisa que, em caso de acidente ou etc, eles não desejam receber sangue, caso precisem de uma doação. E, no entanto, os religiosos se acham no direito de interferir na vida de mulheres que não pertencem às suas religiões. Querem obrigá-las a ir ao fim com uma gestação não desejada. E o pior de tudo: o Estado apoia.

Mas o que eu queria dizer, era o quão a população do meu país me envergonha com esse frenesi absurdo em torno de uma questão que é escolha individual de cada um. De cada uma.

Pessoas, parem de se meter umas nas vidas das outras. Ok? Vão cuidar de seus próprios problemas. E, se é para falar SÓ de aborto nesse segundo turno, perguntem para o Serra também, na mesma quantidade que perguntam para a Dilma. Porque, nisso eu super sou fã dele, porque ele aprovou a pílula do dia seguinte enquanto ministro da saúde.

Outra coisa, eu vou votar na Dilma e pouco me interessa se ela virou a casaca no assunto aborto só para ganhar mais votos. Porque como eu disse antes, essa questão está acima dos poderes dela enquanto presidente, porque é por demais polêmico para não ir à votação.

Li isso hoje:

“O brasileiro é contra o aborto. Não se trata apenas de uma opinião, mas de um fato medido em inúmeras pesquisa de opinião. Por isso Dilma foi para o segundo turno. A legalização do aborto seria, hoje e agora, uma ação nitidamente antidemocrática. E isso, queiram ou não os petistas, está na agenda da próxima eleição” Fonte.

O brasileiro é muitas coisas. É bunda, é futebol, é malandro, é samba, é desprivilegiado intelectualmente, é carioca, é corrupto. Porque né, todas as mulheres brasileiras tem bunda grande, todos os brasileiros sambam, todos os brasileiros amam futebol como a vida, todos estudaram em escolas e universidades péssimas, todos utilizam do seu jeitinho brasileiro para conseguir o que querem, a única atração turística do Brasil é o Cristo Redentor, e todos os brasileiros aceitam propina. Logo, todos os brasileiros são contra o aborto.

Ah, me poupe, hum?

Temos coisas muito mais graves para comentar nessas eleições.

 

10 comments

  1. Carol · October 18, 2010

    Eu super amo o que a Nessa escreve.
    Concordo plenamente quando ela diz q se tem mais o que discutir em uma eleição.
    Mas falando do assunto aborto,eu como mãe aos 21 anos e solteira e apaixonada pelo Espiritismo, tenho o seguinte conceito:Independente de poder ou não fazer aborto,eu jamais faria.Não q eu não tenha em algum momento cogitado essa idéia, quando me vi grávida aos 21 anos, de um homem casado e desempregada.Poderia ter feito se a crença que eu tenho apoiasse.
    Não importa se a lei diz que é crime.Usar drogas tmbm é, vender bebida pra menor de 18 anos tmbm é…todo mundo faz o q é contra lei.
    Aborto pra mim é mais uma questão de opinião, de coragem, de religião e não de lei.
    Mas hj vendo meu pequeno, independente de lei, religião,crença ou qualquer outra coisa, se tivesse feito teria me arrependido muito.Filho é a melhor coisa do mundo.Mas também chega né.Filho único e ponto final.
    Seria melhor se discutissem Politicas Públicas pra Juventude, Prevenção e Saúde da mulher, ao invés de ficarem jogando acusações sobre aborto.
    Minha singela e confusa opinião.
    Adoro tu Nessinha!!!!

    Bjinho

    • garotacocacola · October 18, 2010

      Obrigada pelo carinho, Carol.
      É sempre bom quando o pessoal vem aqui e opina, para eu garantir que não tô falando à toa. =D

  2. Carol · October 18, 2010

    Eu super amo o que a Nessa escreve.
    Concordo plenamente quando ela diz q se tem mais o que discutir em uma eleição.
    Mas falando do assunto aborto,eu como mãe aos 21 anos e solteira e apaixonada pelo Espiritismo, tenho o seguinte conceito:Independente de poder ou não fazer aborto,eu jamais faria.Não q eu não tenha em algum momento cogitado essa idéia, quando me vi grávida aos 21 anos, de um homem casado e desempregada.Poderia ter feito se a crença que eu tenho apoiasse.
    Não importa se a lei diz que é crime.Usar drogas tmbm é, vender bebida pra menor de 18 anos tmbm é…todo mundo faz o q é contra lei.
    Aborto pra mim é mais uma questão de opinião, de coragem, de religião e não de lei.
    Mas hj vendo meu pequeno, independente de lei, religião,crença ou qualquer outra coisa, se tivesse feito teria me arrependido muito.Filho é a melhor coisa do mundo.Mas também chega né.Filho único e ponto final.
    Seria melhor se discutissem Politicas Públicas pra Juventude, Prevenção e Saúde da mulher, ao invés de ficarem jogando acusações sobre aborto.
    Minha singela e confusa opinião.
    Adoro tu Nessinha!!!!

    Bjinho

    • garotacocacola · October 18, 2010

      Obrigada pelo carinho, Carol.
      É sempre bom quando o pessoal vem aqui e opina, para eu garantir que não tô falando à toa. =D

  3. Knorr · October 18, 2010

    Olha, eu não sou de me meter na vida dos outros, cada um vota em quem quiser e tal. Mas como sempre leio e nunca comentei, acho que chegou a hora.
    Tu colocou no texto: “Outra coisa, eu vou votar na Dilma e pouco me interessa se ela virou a casaca no assunto aborto só para ganhar mais votos. Porque como eu disse antes, essa questão está acima dos poderes dela enquanto presidente, porque é por demais polêmico para não ir à votação.”
    Na verdade importa, se eu como cidadão vou eleger um representante, eu quero que ao menos ele tenha uma opinião formada. Espero se cumpra aquilo que o candidato prometeu na campanha, e não que ele mude quando assumir o governo como bem entender. O que a Dilma está fazendo e não está querendo adimitir, é mudar de opinião sobre um assunto muito importante, e esse fato incomoda tanto quanto o aborto.
    Na verdade não é só isso que me preocupa nela, o fato de ela ter assinado o seu programa de governo com a questão da censura da imprensa, e depois quando questionada sobre o fato responde: “Eu assinei, pois não li”. É o cúmulo.
    Não tô aqui defendendo Serra, nem niguém. Apenas acho que a Dilma está despreparada para assumir a responsabilidade de garantir o futuro de quase 200 milhões de brasileiros.
    Mas Democracia é isso, discordar, debater, concordar, analisar, criticar, respeitar, etc…
    O blog tá ótimo e continue assim, hehe.
    Bjo.

    • garotacocacola · October 18, 2010

      Knorr!
      Acredito que a gente deva mesmo colocar essas coisas na balança. Nem sabia dessa declaração sobre “eu assinei, pois não li”, mas vou procurar a respeito.Até agora sempre achei a Dilma a mais preparada para encarar o cargo, apesar de nunca ter achado-a perfeita para isso. E sim, a Dilma tem opinião formada né, mas a campanha direciona-a a fugir do tema do aborto, porque a oposição, e mesmo os eleitores, são muito mesquinhos nesse sentido – sabe quando a gente é criança e sempre tem alguém que pega no nosso pé por causa de alguma coisa completamente irrelevante, mas que nos irrita aos extremos por causa da repetição so assunto? Enfim…
      E que bom que tu gosta do blog =D Concordo contigo sobre a democracia, acho que todos nós, votantes em Dilma e votantes em Serra, estamos felizes por podermos exercer nossos direitos.

  4. Knorr · October 18, 2010

    Olha, eu não sou de me meter na vida dos outros, cada um vota em quem quiser e tal. Mas como sempre leio e nunca comentei, acho que chegou a hora.
    Tu colocou no texto: “Outra coisa, eu vou votar na Dilma e pouco me interessa se ela virou a casaca no assunto aborto só para ganhar mais votos. Porque como eu disse antes, essa questão está acima dos poderes dela enquanto presidente, porque é por demais polêmico para não ir à votação.”
    Na verdade importa, se eu como cidadão vou eleger um representante, eu quero que ao menos ele tenha uma opinião formada. Espero se cumpra aquilo que o candidato prometeu na campanha, e não que ele mude quando assumir o governo como bem entender. O que a Dilma está fazendo e não está querendo adimitir, é mudar de opinião sobre um assunto muito importante, e esse fato incomoda tanto quanto o aborto.
    Na verdade não é só isso que me preocupa nela, o fato de ela ter assinado o seu programa de governo com a questão da censura da imprensa, e depois quando questionada sobre o fato responde: “Eu assinei, pois não li”. É o cúmulo.
    Não tô aqui defendendo Serra, nem niguém. Apenas acho que a Dilma está despreparada para assumir a responsabilidade de garantir o futuro de quase 200 milhões de brasileiros.
    Mas Democracia é isso, discordar, debater, concordar, analisar, criticar, respeitar, etc…
    O blog tá ótimo e continue assim, hehe.
    Bjo.

    • garotacocacola · October 18, 2010

      Knorr!
      Acredito que a gente deva mesmo colocar essas coisas na balança. Nem sabia dessa declaração sobre “eu assinei, pois não li”, mas vou procurar a respeito.Até agora sempre achei a Dilma a mais preparada para encarar o cargo, apesar de nunca ter achado-a perfeita para isso. E sim, a Dilma tem opinião formada né, mas a campanha direciona-a a fugir do tema do aborto, porque a oposição, e mesmo os eleitores, são muito mesquinhos nesse sentido – sabe quando a gente é criança e sempre tem alguém que pega no nosso pé por causa de alguma coisa completamente irrelevante, mas que nos irrita aos extremos por causa da repetição so assunto? Enfim…
      E que bom que tu gosta do blog =D Concordo contigo sobre a democracia, acho que todos nós, votantes em Dilma e votantes em Serra, estamos felizes por podermos exercer nossos direitos.

  5. magnus · October 18, 2010

    Um controle externo à mídia é FUNDAMENTAL na democracia, afinal, o que as diversas formas de imprensa existentes têm é uma CONCESSÃO estatal para funcionar.

    Eu não posso utilizar-me, por exemplo, do espaço aéreo propagando ondas de rádio ou televisão para difundir a opinião de que seria melhor para o Brasil e o mundo que nós retomassemos uma sociedade patriarcal nos moldes daquela dos séculos passados. Isso seria aproveitar uma coisa PÚBLICA para difundir OPINIÃO PESSOAL (o que é uma redundância) que vai de encontro ao que o próprio Estado – que é quem concede a licença – propõe como objetivos da nação.

    A concessão vem, ou deveria vir, em benefício público. E até mesmo a democracia, que não é essa maravilha como pensamos, deve respeitar alguns marcos.

    Sobre aborto: http://www.espacovital.com.br/noticia_ler.php?id=21242

  6. magnus · October 18, 2010

    Um controle externo à mídia é FUNDAMENTAL na democracia, afinal, o que as diversas formas de imprensa existentes têm é uma CONCESSÃO estatal para funcionar.

    Eu não posso utilizar-me, por exemplo, do espaço aéreo propagando ondas de rádio ou televisão para difundir a opinião de que seria melhor para o Brasil e o mundo que nós retomassemos uma sociedade patriarcal nos moldes daquela dos séculos passados. Isso seria aproveitar uma coisa PÚBLICA para difundir OPINIÃO PESSOAL (o que é uma redundância) que vai de encontro ao que o próprio Estado – que é quem concede a licença – propõe como objetivos da nação.

    A concessão vem, ou deveria vir, em benefício público. E até mesmo a democracia, que não é essa maravilha como pensamos, deve respeitar alguns marcos.

    Sobre aborto: http://www.espacovital.com.br/noticia_ler.php?id=21242