… Descriminalização do aborto na América e Caribe.

Há três anos atrás eu escrevi este post sobre aborto e ainda não mudei de idéia. Tive uma discussão ferrenha com a minha mãe, dentro do ônibus, mês passado, por causa deste assunto. Aborto é questão de saúde pública. O governo gasta milhões por ano para dar socorro às mulheres que fazem aborto em casa e sofrem altas consequências por causa disso.

Não gosto de entrar no mérito da questão sobre o “como você fez o filho? sem querer?”. Cada um com seus problemas. Do ponto de vista pessoal, eu jamais teria coragem de tirar um filho, seria tristeza demais para mim, culpa demais – eu criaria a criança nem que fosse escondida na putaqueopariu. E no entando, respeito muito quem abortaria ou já abortou. A escolha é de cada uma de nós. Eu sei que é do pai também, mas não vamos negar que o poder real sobre a criança, enquanto ela está no ventre, é da mãe; faz parte do corpo da mãe, e é assunto dela.

Você vê?

Eu não abortaria, mas sou à favor do aborto. Sou à favor da minha decisão. Sou à favor de dar condições ideais e seguras para quem não tem condições. Sou à favor de evitar que garotas tomem chás ou remédios que a deixem com sequelas gravíssimas para o resto da vida.

Também tem toda a história da descriminalização. Porque poxa, interromper uma gravidez jamais seria um crime, do meu ponto de vista. Crime seria parir uma criança que não se quer. A Lola tocou numa questão interessantíssima: geralmente o governo só se preocupa com o feto enquanto ele está na barriga da mãe, só cuida da sua existência enquanto ele é um feto, mas depois… cadê a assistência? Ninguém se importa, essa é a verdade.

“O Estado sabe perfeitamente bem que milhares de brasileiras fazem abortos clandestinos todos os anos. E que as mulheres de classe média e alta podem pagar por um procedimento seguro. Mas as pobres, geralmente negras, dependem de métodos altamente arriscados, que em muitos casos matam. Se o aborto fosse legalizado no Brasil, seriam essas mulheres que deixariam de morrer.Mas direita cristã é direita cristã em qualquer canto: não liga pra essas mulheres, só pro feto, e só enquanto ele for feto. Assim que nascer, é cada um por si, e que vença o melhor. Estado é só pra salvar o feto, não pra garantir-lhe uma vida cheia de direitos. Direito do feto? Direito à vida? Só enquanto estiver no ventre da mãe, essa pecadora.”

Divulgue a conscientização no twitter: #legalizaçãodoaborto

2 comments

  1. Charles · September 28, 2010

    Concordo plenamente!
    E essa direita cristã é um câncer nesse país.

  2. Charles · September 28, 2010

    Concordo plenamente!
    E essa direita cristã é um câncer nesse país.