Gatos. Os donos da casa, e nossa enorme mesa de trabalho/refeição.

Dividindo o ap com duas amigas, na melhor localização que alguém da minha idade sonharia estar, em São Paulo.

Tomar conta de uma casa nunca foi algo fácil, não é à toa que a ocupação ‘do lar’ é, de fato, uma ocupação. Então que cada uma tem seus gostos, suas manias, e dividem espaços em comum. Por exemplo, meu quarto é uma bagunça, eu arrumo quando eu quero, ou a empregada dá conta na sua visita semanal ao ap. Mas as áreas em comum não funcionam assim, e temos que ser conscientes. Bem conscientes. De vez em quando rola um estresse, mas são poucos. O segredo é ter diálogo.

Decoração? Cada uma com um desejo diferente. Nos dias que eu me responsabilizei por isso, a sala amanheceu com cartaz de Janis Joplin, Pink Floyd, e uma aplicação de eva no portal da sala que era uma imitação metida à modernosa da entrada das Minas de Moria, do Senhor dos Anéis. Adicionei todas as nossas (poucas) garrafas de bebida ainda cheias ou semi-cheias em um barzinho na parede, com garrafas vazias de Tubaína enfeitadas com flores roxas. No dia seguinte, com os acréscimos da outra roomatte, essa aplicação amanheceu com borboletas azuis pelos lados, o barzinho amanheceu com adesivos rosa de robôs parecidos com o símbolo do Android. As luzes pisca-pisca que eu botei na sala estavam arrumadas em forma de um pirulito gigante, e tinha um estencil do Gilberto Gil na parede. E um ‘long cat’ perto da porta da sacada. A terceira roomatte entrou na sala e se chocou, certeza. Eu, adorei. Tinha até uns Space Invaders na parede também.

Nossa casa agrega viajantes de todas as partes do país, graças a nossa intensa atividade em listas de discussão política, tencológica, etc, com pessoas de todos os lugares. e também pelo fato de cada uma ter vindo de um canto diferente. Rolam umas visitas inusitadas às vezes, um dia encontrei até o representante do Avaaz.org tomando vinho e discutindo diplomacia na mesa de jantar.

Os gatos estressaram um pouco de tantas visitas, mas acredito que estejam se acostumando com o fluxo de pessoas por aqui – até porque eles são os mais paparicados. Há dias em que a mesa de jantar – gigantesca, de oito lugares, cortesia do proprietário do imóvel – parece uma lanhouse. Ninguém jogando, claro. Só notebooks operando com sistema operacional livre – Linux.

Orgulho de casa, hm?

Apesar dos pesares, de se dividir apartamento, e encontrar tantas diferenças quanto semelhanças felizes com as garotas, ninguém pode negar que a gente aprende muito uma com a outra.

Então, esse post é dedicado as minhas roommates lindas – uma ruiva e uma loira, uia! -, e a todos nossos amigos que enchem a casa (literalmente) de barulho, e me fazem sentir cada dia mais feliz de estar aqui.

E pros amigos que ficaram no sul, fica sempre o convite aberto para fazer parte dessa festa permanente de variedade.

(Assinado: Vanessa, aquela que está sempre desejando estar com a casa em silêncio, sozinha, e quando consegu isso… sente falta da casa cheia.)

4 comments

  1. Srta. Bia · November 25, 2011

    Acho que tem uma informação muito importante faltando numa frase ali:

    Rolam umas visitas inusitadas às vezes, um dia encontrei até o representante do Avaaz.org tomando vinho e discutindo diplomacia na mesa de jantar, e a melhor moderadora de listas do mundo, a linda e maravilhosa Srta. Bia, que sempre eclipsa qualquer pessoa na mesa. ;-p

    Ps.: adorei que o domínio foi pago e o blog voltou ;-)

    • garotacocacola · November 25, 2011

      Ok, srta.Bia, minha diva =D

  2. Srta. Bia · November 25, 2011

    Acho que tem uma informação muito importante faltando numa frase ali:

    Rolam umas visitas inusitadas às vezes, um dia encontrei até o representante do Avaaz.org tomando vinho e discutindo diplomacia na mesa de jantar, e a melhor moderadora de listas do mundo, a linda e maravilhosa Srta. Bia, que sempre eclipsa qualquer pessoa na mesa. ;-p

    Ps.: adorei que o domínio foi pago e o blog voltou ;-)

    • garotacocacola · November 25, 2011

      Ok, srta.Bia, minha diva =D