Detesto ver inúmeros vídeos por aí, em alguns sites famosos, ensinando os caras a chegar nas garotas na balada de uma forma que eu achei muito sem noção.  Se alguém aí fez e deu certo, me avisa. Nem vou enrolar com muita introdução, chega. Se deixar eu vou ficar escrevendo até amanhã.

Vou usando a minha própria experiência como ouvinte de muitos homens, e a minha experiência como mulher sendo abordada por aí em festas.

[E vejam só, uma feminista ensinando homens como se aproximar de mulheres. Eu acho que a minha fama de brava, creditada gratuitamente só porque me admito feminista, pode se esvair por aí. Tampouco posso ser tida como dócil também, não se esqueçam.] Vamos ao que interessa.

1 – Motivações

Primeiro. Se pergunte porquê você quer chegar em uma garota. A maioria dos caras está a procura de apenas one night stand, que – em miúdos – significa que ele quer só dar uns amassos em alguém e partir para o segundo ato assim que possível. Outra possibilidades, com mais chance de acontecer do que parece, o cara está à procura de aguém bacana para trocar uma idéia e uns fluídos. A terceira possibilidade, e mais incomum, é estar procurando uma namorada.

Entendendo o que você espera da sua noite, você se coordena melhor para se aproximar de alguém.

2 – Lugar

Se toda a semana você reclama das mulheres da festa no churrasco de domingo com os amigos, existe alguma coisa muito errada aí. Cansei de ouvir gente falando dia a pós dia que as mulheres não se dão mais ao respeito, que as minas não tem assunto, que são fazidas, são chatinhas, etc. Talvez seja hora de você se perguntar se os lugares que você está frequentando correspondem ao tipo de garota que você procura.

Escolha um lugar onde toque as músicas que você gosta, cuja a predominância de bebidas servidas seja do tipo que você toma, que as pessoas falem coisas que você gosta de conversar. Se o lugar que você frequenta corresponde bem a essas questões, e você continua reclamando do público feminino que vai lá, está na hora de você olhar para si mesmo e se indagar porquê não encontra pessoas do seu tipo lá, e porquê as mulheres que apreciam as mesmas coisas que você acabam não lhe correspondendo as expectativas. Pode ser que você seja tão chato e idiota quanto você acha que elas são.

Reflita.

3 – Entenda que a garota é uma pessoa como qualquer outra

O maior erro dos caras é chegar nas meninas de forma uniforme e repetitiva. Explico. A maior jogada que eles tem é chegar dançando por trás da gente, e já vi vídeos que ensinam isso na internet como sendo o suprasumo da arte de “xavecar na balada”. Eu acho terrível, sabe. Detesto quando um cara se aproxima de mim dançando às minhas costas, como se eu fosse um objeto onde ele pudesse vir devagarinho se esfregando para ver se eu gosto. Me poupe, né? Você ia gostar de ter alguém chegado por trás de você, sem avisar, enquanto você está dançando despreocupadamente numa pista? Eu acho o cúmulo da falta de repeito com a pessoa enquanto ser humano, um ser humano que tem seu espaço desrespeitado por outro. Não pensem que vocês agradam fazendo isso.

Minha dica é, aceitando para você que naquela massa difusa de corpos dançando numa pista existem centenas de pessoas, tente tratá-las como tal. Cada um tem uma história de vida, cada um está naquele lugar por algum motivo, e às vezes esse motivo pode não incluir encontrar gente inconveniente as assediando de forma escrota. Minha dica é: tenha conteúdo. E tato. É claro que ninguém quer um cara citando Nietzche aos berros numa pista. Mas isso não é sinônimo de que esperamos um “Oi, gata. Tem msn?”.

O jeito de chegar vai variar de um cara para o outro, conforme seu estilo. Não sei lhes dar cantadas prontas aqui, não tenho o número exato para lhes dar essa resposta. Mas na minha fórmula, quem substitui as variáveis é você. E a fórmula é: mostre interesse de forma sutil, sem mostrar de cara que você está babando na moça, mas mostrando que algo nela lhe chamou atenção e você foi corajoso o suficiente para ir lá demonstrar sua empatia. Com respeito.

Mesmo que a garota esteja seminua na festa, e você só procura one night stand. Ela é uma pessoa. Ela tem sentimentos, embora você esqueça instantaneamente assim que a enxerga. Procure se perguntar porquê a garota está se vestindo daquele jeito ou tomando aquela atiude. Por trás desse tipo de quadro, tão frequente, existe alguém que sofreu uma espécie de condicionamento desde pequena, onde foi ensinada a chamar atenção para si não importa como, ensinou-a que quanto mais admirada por olhos de fome masculinos, melhor ela se posiciona em seu meio social. Entenda que mesmo que ela se porte e se identifique como um objeto de desejo, ela não é um objeto. Ela tem vontades próprias e opiniões próprias, e surpreenda-se você ou não, nessa lista de vontades pode ser que uma apalpada na bunda, vinda de um desconhecido, não esteja presente.

Use os neurônios, você não é um animal desprovido de senso, ética e respeito.

Existe uma pré-idéia de todo mundo que cai na balada de que todos que estão ali estão à procura de algo. Eu concordo com isso. Na verdade, todo mundo que vai a algum lugar – seja à Roma, ou ao banheiro de casa – está procurando alguma coisa – no caso de Roma, pode ser várias coisas, e no caso do banheiro, com certeza vai ser alívio.

O primeiro passo para se dar bem com algum alvo de desejo numa festa, é entender que esta pessoa – assim como você – está procurando alguma coisa. Às vezes nem ela sabe o que é. Não precisa ser explicitamente alguém para dar uns beijos, ou vontade de cair numa bebedeira. Mas já imaginou se você vai numa balada, aparentemente esperando que nada demais aconteça, e aí você encontra uma pessoa completamente diferente dos estereótipos, que sabe respeitar, que se aproxima de uma forma completamente diversa daquela que você está acostumado, que faz você rir sem precisar força nada ou contar alguma piada, ou que te conte histórias interessantes, ou que tenha visto um filme que você ainda não viu e está cheio de dicas para lhe dar sobre cinema?

12 comments

  1. Mauricio Costa · January 9, 2011

    Problemas no approuch inicial acredito que seja comum…até pq eu já tive disso.

    Acho que algo que pode ajudar é começar uma conversa com um simples “Oi…”

    Não sou (nem pretendo ser) um “caçador noturno” ou coisa do genero. Mas sempre que vejo alguém interessante, seja em festa ou balada tento começar dessa forma.

    Em várias situações conheci pessoas incríveis que mantenho contato mesmo que não tenha rolado nada além de uma boa conversa.

    Ótimo texto. Meu primeiro que leio aqui…e acredito que voltarei mais vezes ;)

    • garotacocacola · January 9, 2011

      Que ótimo, seja sempre bem-vindo!

  2. Mauricio Costa · January 9, 2011

    Problemas no approuch inicial acredito que seja comum…até pq eu já tive disso.

    Acho que algo que pode ajudar é começar uma conversa com um simples “Oi…”

    Não sou (nem pretendo ser) um “caçador noturno” ou coisa do genero. Mas sempre que vejo alguém interessante, seja em festa ou balada tento começar dessa forma.

    Em várias situações conheci pessoas incríveis que mantenho contato mesmo que não tenha rolado nada além de uma boa conversa.

    Ótimo texto. Meu primeiro que leio aqui…e acredito que voltarei mais vezes ;)

    • garotacocacola · January 9, 2011

      Que ótimo, seja sempre bem-vindo!

  3. smauel · January 9, 2011

    Muito bom o seu post , penso muito parecido com vc , acho q a sutileza e o elemento supresa são fundamentais pra quem quer “se dar bem”.

    Ah vi vcs na twitcam da #cpbr4 , legal pra caramba.

    • garotacocacola · January 9, 2011

      Que bom, Samuel; volta sempre hein, haha.

  4. smauel · January 9, 2011

    Muito bom o seu post , penso muito parecido com vc , acho q a sutileza e o elemento supresa são fundamentais pra quem quer “se dar bem”.

    Ah vi vcs na twitcam da #cpbr4 , legal pra caramba.

    • garotacocacola · January 9, 2011

      Que bom, Samuel; volta sempre hein, haha.

  5. kall · January 9, 2011

    Muito boa as suas dicas,
    penso parecido com vc, acho que as pessoas devem agir livremente, e deixar “rolar”
    deixar a conversa tomar conta do contexto, sendo coisas defrutaveis em um relacionamento.
    Independente se é so uma “paquera”
    Parabens!!!

  6. kall · January 9, 2011

    Muito boa as suas dicas,
    penso parecido com vc, acho que as pessoas devem agir livremente, e deixar “rolar”
    deixar a conversa tomar conta do contexto, sendo coisas defrutaveis em um relacionamento.
    Independente se é so uma “paquera”
    Parabens!!!

  7. Gian · January 9, 2011

    Parabéns!
    òtimo texto concordo plenamente contigo
    Pena q nem todas as mulheres pensam como vc né!

  8. Gian · January 9, 2011

    Parabéns!
    òtimo texto concordo plenamente contigo
    Pena q nem todas as mulheres pensam como vc né!