(Untitled)

Passei no sebo perto do trabalho para comprar discos e sai de lá com seis livros. De Simone de Beauvoir à diários de Bridget Jones. Achei inteligente começar por Carrie, do Stephen King. É no mínimo cômico ler um homem falando de menstruação do ponto…

(Untitled)

Todo gaúcho quando vem para São Paulo fala “aqui não tem Polar”. Tem vários vivendo aqui. Como o nosso sotaque nos confere um  sex appeal inexplicável, os gaúchos tendem a ter algo de narcisista, e uma aura de seriedade sulista que ninguém entende, e nem…

(Untitled)

Blogueiras Feministas entrevistam Casal Sem Vergonha.

(Untitled)

Dizem por aí que a mulher já é livre o suficiente, que pode fazer o que quiser. Pra que feminismo

(Untitled)

A pessoa aqui anda trabalhando bastante. No trabalho e fora dele. (Vida de freela com emprego fixo, para quê te quero, né?) Daí que todo mundo diz que eu estou estressada e preciso aliviar a tensão. Ao invés de me indicarem massagistas, aulas de meditação,…

(Untitled)

Estar só nessa cidade gigante. Pensei que de algum modo me mataria, mas está fazendo exatamente o contrário. Cada dia é um país novo que eu descubro… em mim mesma.

(Untitled)

Às vezes tenho saudade de hábitos não muito dignos. Ontem cheguei a conclusão de que não fazia sentido não ter mais ninguém para encher meu saco quando eu ficasse bêbada de tropeçar, se eu não aproveitasse a chance. Tipo, qual é a graça? A pessoa…

(Untitled)

Desde que a internet (discada) chegou na minha casa, na longíqua Porto Alegre, eu achava a coisa mais esquisita do mundo as pessoas que davam risada assim “rsrsrs”. Porque, como moradora do Estado do Rio Grande do Sul, rs para mim sempre foi RS, a…

(Untitled)

“Marromeno.” “Marrô-meno”. “Marrô-menu”. Mais ou menos. Demorei três semanas, e muitos dias pensando que seria algo tipo “marroquino” ou sei lá. Aqui em São Paulo um monte de gente fala “mais ou menos” daquele jeito esquisito. Até o carinha que eu comecei a paquerar depois…

(Untitled)

Priscilla Caroline fala no Senado em Homenagem ao mês da Mulher.